Assine o Cidade Bike no Youtube!
Imprensa

Capa do Correio da Paraíba destaca a importância da bicicleta em JP

A edição do último domingo (26) do jornal Correio da Paraíba estampou em sua capa uma verdadeira e significativa manchete: “Bicicleta pode tirar JP do caos”. A matéria escrita por Celina Modesto apresentou pontos importantes da mobilidade por bicicleta em João Pessoa e destacou o trabalho que vem sendo desenvolvido pelo Cidade Bike, sobretudo no que diz respeito às contagens de ciclistas.

miniatura-correio-da-paraiba-bicicleta-pode-tirar-jp-do-caosClique para ler a matéria do Correio da Paraíba

No mesmo texto, o diretor de planejamento da Semob-JP, Adalberto Araújo, reconhece o problema da falta de conexões da nossa malha cicloviária e aponta um prazo mínimo de 18 meses para termos melhorias nesse sentido, se referindo ao prazo para a conclusão do Plano de Mobilidade Urbana – que ainda está no processo de licitação da proposta técnica. Adalberto destacou também etapas importantes do plano, como a pesquisa, e garantiu que o projeto será desenvolvido com a participação da população, incluindo discussão com a sociedade civil organizada. Precisamos continuar acompanhando e fiscalizando para garantir a real participação no processo, já que a sociedade civil organizada participar das tomadas de decisão da gestão não é algo tão presente no histórico de João Pessoa.

Fato é que a inexistência de um plano de mobilidade não impossibilita inúmeras outras intervenções que podem ser feitas. Prova disso é a ciclovia da Av. Beira Rio, reivindicada há pelo menos 5 anos e que só agora está saindo do papel. Sem contar as intervenções que poderiam ter sido evitadas, como a destruição de mais de 200 metros de ciclovia na Av. Hilton Souto Maior ou a remoção de outros 500 metros de ciclofaixa em Mangabeira, que trouxeram prejuízo direto a centenas de ciclistas.

Contrariedades

A mesma edição que traz a brilhante manchete também teve a infelicidade de publicar uma coluna da autoria de Valério Costa Bronzeado, intitulada de “Caos urbano”. No texto, inúmeros clichês do cotidiano urbano que priorizam o transporte individual motorizado acabam sendo defendidos. Em síntese, Valério Bronzeado afirma que o erro está na incapacidade das cidades continuarem investido em infraestrutura para os automóveis. Talvez a pior parte da publicação tenha sido ao dizer que a administração “poderia multiplicar os viadutos de forma célere e eficaz, demonstrando eficiência administrativa e economia para os pagadores de impostos que são seus eleitores”.

coluna-valerio-bronzeado-caos-urbano-correio-da-paraiba

Acontece que os gastos mais representativos em mobilidade já estão diretamente alocados na criação desse tipo de infraestrutura. Além de caríssimos, investimentos assim beneficiam apenas a minoria da população: em João Pessoa, menos de 25% da população se locomove de carro. A minoria restante – pedestres, ciclistas e usuários de transporte público – continuam contando com uma fatia insignificante dos investimentos em mobilidade.

João Pessoa urge por mudanças nesse sentido. Há diretrizes mundo afora alertando sobre a importância das cidades passarem a adotar políticas públicas que privilegiem os meios ativos de deslocamento e, ao mesmo tempo, promovam o desincentivo ao uso do transporte individual motorizado, que já se trata de um modelo amplamente – e comprovadamente – insustentável de mobilidade. Do ponto de vista legal, destacamos a Lei Federal 12.587/2012, que define a Política Nacional de Mobilidade Urbana e determina que o uso do automóvel pare de ser estimulado.

Destacamos outro trecho: “Para evitar a infernização das cidades e enfrentar o caos da falta de fluidez no trânsito de veículos, as prefeituras deveriam estar sempre construindo pontes, viadutos ou, então, buscar outros meios de mobilidade, para que o carro não seja a opção da maioria”. Garantimos ao escritor que, definitivamente, deveríamos ficar com a segunda alternativa.

Uma coisa ele acertou: o caos urbano está totalmente relacionado ao crescimento do número de automóveis nas ruas. Isso se dá pelo constante incentivo que sempre foi dado a esse modo de transporte nas cidades, colocando-o como principal personagem da mobilidade urbana. Para reverter o “caos urbano” precisamos, necessariamente, reverter a lógica de continuar investindo no automóvel e privilegiando-o. Nesse sentido, ampliar a infraestrutura representa um incentivo real ao uso do automóvel e traz prejuízos significativos à toda cidade.

Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimas publicações

Somos um coletivo de pessoas que usa a bicicleta como meio de transporte em João Pessoa e que sonha com uma cidade mais ciclável.

Outras publicações

Acompanhe-nos no Facebook

Copyright © 2016 - Cidade Bike. Todos os direitos reservados.

To Top