Assine o Cidade Bike no Youtube!
Mulher

Para quem foram feitas as ruas?

pernas-cidade

Nem sempre para nós, mulheres, sairmos nas ruas foi sinônimo de perigo ou insegurança. Houve um período na história em que os trabalhos divididos entre homens e mulheres tinham igual importância para manutenção da vida. A hierarquia não existia, no trabalho masculino não era atribuído mais valor do que no trabalho das mulheres, e vice versa. A reprodução da humanidade também se dava de forma igualitária, não existia o papel de pai ou de mãe. Atividades de pesca, caça, coleta, atividades do lar eram ensinadas de forma igual para meninos e meninas e estes eram criados e educados por todas as pessoas da comunidade.

Com o tempo o homem percebeu que suas atividades tinham mais valor, desta forma, a mulher tornou-se a dona do lar e suas tarefas consistiam em cuidar dos filhos, da casa e muitas vezes do cônjuge. Essas atividades são primordiais para o funcionamento do sistema capitalista, entretanto nenhum valor monetário ou social é atribuído.

Uma vez que o espaço da mulher se tornou o privado, ou seja, o lar, os homens se tornaram os grandes ocupadores dos espaços públicos, tais como: ruas, escolas, trabalho, política, lazer. Enfim, todos estes ambientes foram sendo moldados para atender este público, que por muito tempo foi quase que exclusivamente masculino. Digo “quase” que exclusivamente porque sempre existiram mulheres que ousaram ocupar estes espaços mesmo sendo sempre rechaçadas.

Cada vez mais as mulheres vêm ocupando esses espaços públicos e ocupar as ruas é um desafio para as mulheres. Diariamente assistimos casos de violência na televisão, ouvimos casos de assaltos e estupros, a capital paraibana é a terceira capital com o índice mais alto de violência contra a mulher segundo dados do Mapa da Violência 2015: Homicídios de mulheres no Brasil. Desta forma faz-se necessário também, além da luta diária, meios “seguros” de se transportar. Assim, a bicicleta vem como alternativa de vida e é possível nos transportarmos em segurança com ela.

A bicicleta traz uma segurança  maior nas ruas escuras, pois ficamos menos vulneráveis do que a pé, por exemplo. Um outro problema constante ao caminharmos nas ruas é o assédio. Nove a cada dez mulheres já foram assediadas e todas as nove se sentem incomodadas. Pedalando, as mulheres ficam mais protegidas desses casos de assédio cometidos pelos homens, um dos motivos é a velocidade da bicicleta ser superior.

No painel Mulher traremos discussões do mundo feminino com a bicicleta e assim mostraremos a vocês, mulheres, que a rua também nos pertence e que  podemos viver de forma livre e segura com a bicicleta.

Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimas publicações

Somos um coletivo de pessoas que usa a bicicleta como meio de transporte em João Pessoa e que sonha com uma cidade mais ciclável.

Outras publicações

Acompanhe-nos no Facebook

Copyright © 2016 - Cidade Bike. Todos os direitos reservados.

To Top